Palestra design 3d

Apresentação

A proposta da palestra é explanar sobre acontecimentos no universo da computação gráfica, integração de softwares avançados de CG e seu uso em vídeo, mídia impresa e internet. Os principais softwares utilizados por produtoras do mundo, comentários pertinentes ao mercado de CG avançada e o processo de criação de um rascunho até a finalização de um áudio-visual.

Palestra ministrada na UNIFIEO - OSASCO - 1o semestre de 2005. (esta palestra pode conter hoje materiais datados).
O que está acontecendo com a Disney!?

A guerra interna entre desenhistas da Disney,
de um lado os desenhistas tradicionais e do outro os desenhistas que utilizam CG.
Há pouco tempo houve um alvoroço na Disney, uma briga entre seus funcionários, mais exatamente entre os desenhistas tradicionais com os desenhistas mais técnicos que se valem de softs para desenhar e esta briga envolveu também a diretoria da Disney.
O mundo está passando, nos últimos 8 anos, por grandes mudanças em efeitos e recursos de cinema e demais áreas de criação, após analisarem pesquisas e tendências, a Disney percebeu que o público estava reagindo melhor a produções criadas em 3D e cheias de efeitos. Isso é resultado da cultura de videogame e diversos fatores como a evolução da qualidade e dos recursos 3D que hoje estão cada vez mais presentes em nosso mercado.

Frente a essa nova realidade e com sérios problemas financeiros, a Disney tomou uma atitude inusitada, num primeiro momento informou a seus funcionários sobre um programa voluntário de adaptação em que seus funcionários poderiam aprender e assimilar novas ferramentas de trabalho, no caso as ferramentas 3D.
Após algum tempo, um grupo de funcionários se adaptou, porém outra grande parte não só não fez o programa como se indignou com a ideia, inclusive protestando e alegando que estas mudanças iriam contra a filosofia de Walt Disney.

A situação era péssima, a parceria Disney e Pixar estava abalada e o tremendo sucesso de Toy Story batia nas faces da diretoria, Steve Jobs, presidente da Pixar, brigava pelos direitos de Toy Story e queria vetar a produção de Toy Story 3 pela Disney. Ele queria que a Pixar produzisse o desenho para a Disney, tudo isso somado ao déficit financeiro da Disney culminou em mais uma medida, desta vez mais agressiva.
Os diretores da Disney frente aos problemas deram um ultimato a seus funcionários rebeldes:
"...ou vocês aceitam as mudanças ou procurem outro lugar para trabalhar...".

Este é o cenário atual, não adianta deixar o ego à frente de certas questões pois o resultado será o desemprego. Foi o que ocorreu. Provavelmente a Disney se recuperará, talvez ganhe alguns milhões com Chicken Little para injetar em investimentos e não duvido nada que possa até comprar a Pixar. (como de fato veio a ocorrer)

O jeito é esperar para ver o que vai acontecer. E que nos sirva de lição, o ser humano é uma criatura que evoluiu se adaptando, negar isso é estar vários passos atrás de qualquer um, daí a importância de estar sempre antenado.
Autodesk compra a Alias!

Pela "bagatela" de U$182 milhões a Autodesk adquire a empresa Alias, qual será o futuro do Maya e do 3DSMAX?
A Autodesk negociava há anos a aquisição da empresa Alias. No dia 4 de outubro de 2005 foi assinado o contrato definitivo.

Os usuários da Alias, particularmente do Maya podem ficar tranqüilos, a Autodesk afirma que os produtos da Alias não serão descontinuados. O processo de incorporação da Alias poderá levar 6 meses ainda.

O objetivo da Autodesk com esta aquisição é oferecer a seus clientes a melhor tecnologia possível na área de design, videogame, video e cinema; ampliar o alcance de seus produtos com a força do Maya, MotionBuilder e os produtos da série FBX.
A equipe de aproximadamente 600 funcionários da Alias foi totalmente incorporada pela Autodesk, serão avaliados ainda os cargos em duplicidade pois este fato é inevitável.

A Autodesk afirma sobre a marca Alias ser muito forte e futuramente pensam numa fusão dos dois nomes, a Autodesk pretende dar continuidade aos produtos da Alias.
Meu soft é melhor que o seu!
Por que amamos tanto nosso soft?
Porque brigamos e defendemos tanto ele?


"_É óbvio que meu soft executa
a função X melhor que o seu!"

"_Imagine, e o seu por acaso
faz aquilo que o meu Y faz!?"

Este diálogo, parece até discussão de jogo de futebol, quem vence? Ninguém, discussões inúteis, brigas feias, ofensas e amizades perdidas são o resultado deste jogo sem vencedores. Ainda hoje vemos usuários degladiando por seus softs, suas máquinas, seus sistemas e por aí vai.

O mais bacana é ver o imenso esforço que fazem para argumentar que o seu programa, sistema ou computador é melhor e defendem as marcas melhor do que qualquer vendedor treinado poderia fazer. O que ganham com isso? Absolutamente nada, só aborrecimento, eu ousaria dizer até uma certa involução como ser humano.

Por que isso ocorre? Os fatores psicológicos que envolvem este "amor" são complexos e como disse podem ser comparados ao mesmo "amor" que uma pessoa tem pelo seu time preferido. Homens e mulheres do séc. 21 com atitudes medievais perante produtos dos quais não ganham nenhuma comissão para defender ou ofender.

Para evitarmos isso, e olha que é difícil, é importante por em mente que é mais interessante entender e conhecer as plataformas, sistemas, softs em geral do que ficar ofendendo ou difamando eles. Quem estará melhor preparado para o mercado? Alguém que domina e sabe usar razoavelmente diversos sistemas e softs ou alguém que se prende a um sistema ou soft e ainda difama o concorrente!?

A pessoa que souber dosar este "amor e ódio", tiver respeito e atitude profissional com certeza terá melhor preparo para um mercado cruel e que não liga e nem tem tempo a perder com esse proselitismo, esta militância por marcas diversas.
Acima um curta metragem que criei para ilustrar a eterna briga e o proselitismo que ocorre em relação a softwares e máquinas pessoais.
Gigantes da computação gráfica
Conheça os 4 softwares mais utilizados no mundo para criação
de filmes, videos, jogos, desenhos, ilustrações etc. 

(Este trecho pode estar/ficar datado) 
XSI|SoftImage; LightWave 3D; Maya; 3DS MAX.

O mercado de cinema, video e videogame são muito exigentes e poucos são os softs que oferecem recursos profissionais para atender às suas demandas. Dentre estes softs, na área de 3D figuram estes 4 gigantes, cada um com seus prós e contras mas todos com algo em comum: grandes artistas e designers que conseguem extrair deles o máximo em computação gráfica.

XSI|SoftImage

Prós - Software de peso, atualmente considerado o mais poderoso e completo do mercado (U$ 500,00 a versão Essentials e quase US$ 7.000,00 a versão Advanced). Excelente para modelar e animar, criar setups, rigging, bones etc. Muito leve de operar e bem organizado, interface não é muito amigável mas é bem customizável. Há muito suporte oferecido pela Avid e diversas comunidades.

Contras - É um soft complexo em geral, exige uma curva de aprendizado elevada, ou seja, para assimilar e dominar este soft leva-se muito tempo, mesmo para quem já tem experiência em 3D.
Para quem já lida com ele outras dificuldades surgem na hora de texturizar e renderizar, ele tem tantas opções e recursos que fica um pouco difícil no início assimilar tantas informações. Quanto ao render (Mentalray + Final Gathering) são lentos e de difícil setagem. A maioria dos usuários de XSI usa o recurso de "fakeosity", usam técnicas de iluminação que simulam o efeito de radiosidade para ganhar em tempo de render.

As comunidades brasileiras de XSI praticamente não existem portanto para quem está começando no XSI será uma árdua luta no aprendizado.(Infelizmente hoje, o XSI foi descontinuado pela Autodesk).


LightWave 3D

Prós - O LW é um soft muito amigável, ferramentas eficientes, leves, excelente para modelagem. A forma com que permite interagir com a malha dos objetos é tão suave que o usuário nem percebe que está num computador modelando, a sensação é como desenhar num papel. Outros pontos fortes são o sistema de texturas muito simples e eficiente também, qualquer artista com bom gosto consegue criar imagens incríveis com o LW. Sua curva de aprendizado é média.
O LightWave conquistou uma boa posição no mercado de games, está com boas ferramentas de UV, importação e exportação de qualidade, morph targets bem elaborados etc.
Um dos pontos mais fortes do LW é sem dúvidas seu engine de render, além de ter um ótimo render nativo conta com um plugin chamadoFPrime que permite praticamente um render em tempo real mesmo em máquinas mais simples.
O poder do FPrime é tamanho que uma cena complexa, com muitos frames, diversos objetos, luzes, efeitos etc, pode ser renderizada de um dia para o outro em apenas uma máquina!!! Ele tem um render de excelente qualidade também.
O LW é muito utilizado em filmes, video e mídia impressa, há grandes comunidades no mundo todo. Aqui no Brasil a melhor comunidade sem dúvidas é a Wavers com muitas dicas, tutoriais, exercícios, galerias e uma galera muito bacana desde os iniciantes aos mais avançados, todos trocam idéias.

Contras - A filosofia do LW difere dos outros softs 3D isso dificulta a seus usuários uma possível migração dele para qualquer outro soft e vice-e-versa. Seu sistema de dinâmica e animação ainda pecam muito em recursos e costumam falhar. Mesmo os plugins de dinâmicas e efeitos não dão conta de cenas muito complexas e trazem dores de cabeça quando as animações se tornam muito complexas.
Em alguns casos as listas não aparecem em ordem alfabética, como a lista de plugins, muitos usuários de LW nem percebem isso mas torna-se um incômodo enorme, mesmo para usuários experientes quanto se precisa encontrar determinado plugin.
Ainda há bugs do core do programa, como problemas de gimbal lock(sistema de rotação), polígonos com mais de 4 faces conflitantes, a interpolação do sistema de endomorph não é precisa e deforma demais os morphs. Atualmente está em sua versão 9.0, as versões 9.0 beta ainda tem diversos bugs que incomodam muito os usuários.

Maya

Prós - O Maya é um dos softs mais amigáveis para criar animações de todos os tipos, o engine de render é muito bom (Mentalray/Final Gather). 
Muito utilizado no mercado de games e cinema.
A versão 6.5 está bem mais otimizada que a anterior, a interface é muito amigável com ícones que facilitam a localização das ferramentas. Tem bons recursos de dinâmicas, efeitos, fluídos etc.

Contras - A usabilidade das ferramentas é péssima isso traz uma desagradável experiência na hora de modelar deixando o soft menos produtivo. O engine de render é bom porém lento, tanto para o XSI quanto para o Maya, o aprendizado do Mental Ray é um capítulo à parte dado sua enorme complexidade. Há dificuldades em selecionar elementos e o usuário algumas vezes precisa fazer malabarismos para operar o soft. Quem é usuário somente do Maya não percebe isso, porém quem migra de outro soft para ele nota isso logo de cara e normalmente usuários de Maya ficam impressionados com as ferramentas básicas de operação de softs como XSI, LightWave ou Modo. É interessante notar que devido à grande dificuldade de se operar o Mental Ray, em geral, as galerias de usuários que se valem deste engine de render não costumam ter boas ilustrações, o que não desmerece o poder do XSI ou do Maya, mas que acaba por gerar uma propaganda negativa já que usuários iniciantes tendem a observar primeiro o resultado em termos de render que um soft pode produzir do que de fato seus recursos.

3DS MAX

Prós - O MAX é muito amigável para criar jogos isso o faz um dos mais populares no mercado mundial na criação de jogos 3D, sua interface também é iconográfica como a do Maya. Possui inúmeras ferramentas para modelar. Sua inserção no mercado de arquitetura, particularmente no Brasil, é imensa.
Talvez com esta aquisição da Alias novos e melhores produtos do segmento 3D venham a surgir.

Contras - Preço muito elevado (quase US$ 4.000,00), mesmo na versão educacional (quase U$ 2.000,00) que é muito mais cara que a versão Essentials do XSI. O sistema de seleção não é amigável, você pode perder sua seleção se não tiver cautela. Uma vez feito os objetos e você desejar modificar algo, o MAX bagunça os morph targets e UVs. Como foi dito há inúmeras ferramentas o problema é encontrá-las.
O 3DS Max é muito instável, trava constantemente. No caso de criação de games, para testar como está o andamento você precisa sair do MAX, testar e retornar ao soft.
Apesar de iconográfica, a interface é muito desorganizada e tem péssimo design. Animação e dinâmicas nem sempre reagem bem.
O MAX tem um sério problema em suas atualizações, problema esse que os próprios usuários reclamam a todo momento; ele é o soft dos "plugins", quando surge uma nova versão não se vê implementações no core do programa e sim mais uma enxurrada de plugins que aumentam a biblioteca poluindo ainda mais a interface do MAX.

Soft Revelação - MODO

O Modo da Luxology apareceu de repente no mercado, criado pelos antigos programadores do LightWave trouxe a todos uma nova filosofia de modelagem, com interface extremamente intuitiva e funcional ele agradou muito e conquistou o mercado rapidamente, inclusive já é utilizado em workflows de projetos de cinema e jogos de videogame. Eu particularmente utilizo o LightWave e há 8 meses uso o Modo para modelar e renderizar, ele é fantástico e para quem já foi usuário de LightWave migrar para o Modo é muito rápido.


Prós - Interface muito amigável, totalmente customizável, de longe o software mais leve de se operar, lida facilmente com milhares de polígonos, os recursos de modelagem são simples e extremamente funcionais, possui um sistema de seleção de polígonos, edges e vértices sem igual, tem um dos melhores sistemas de criação e controle para abrir malhas UV do mercado. O render não é mais rápido que o FPrime, mas renderiza mais rápido que os demais concorrentes e a qualidade do render é incontestável. Possui um sistema de Iluminação Global excelente e fácil de configurar o que pode ser visto em suas galerias mundo afora.
A Luxology fomenta um fórum próprio para divulgação de imagens criadas pelos usuários, áreas para solicitação de melhorias, dicas, truques, tutoriais e muito mais.www.luxology.com
Tem um sistema de modelagem destrutivo, isso é ótimo e ao mesmo tempo ruim. Uma filosofia diferente dos demais softs 3D que existem, a maior vantagem é a liberdade e fluidez de se modelar livremente, como se estivesse lidando com massa de modelar ou brinquedos lego, é muito simples.

Contras - Como qualquer outro soft e principalmente por estar ainda na versão 3.02, o Modo ainda tem muitos bugs, é instável, algumas ferramentas se comportam de maneira estranha, o software não se comporta bem com placas de vídeo da ATI como a série Radeon por exemplo.
Da série NVidia é preciso ter as NVidias 5600 para cima para aproveitar todo o potencial do Open GL (como visualizar o bump em tempo real). Tem sérios problemas com a memória, mesmo em máquinas com 4 Gigas de Ram pode retornar avisos de falta de memória constantemente.
Macs - O problema de memória está relacionado com a limitação de aplicações 32 bits em gerenciar os pacotes de memória acima dos 4Gb de Ram. portanto de nada adianta ter 32 Gb em seu Mac se seu Modo não for 64 bits. Uma versão 64 bits do Modo para Mac deve sair em breve.
PCs - Se utilizar o Modo 401 versão 64 bits em sistemas como o XP64, Vista 64 ou o atual Windows 7 e houver memória suficiente (8 GB, 16Gb ou mais), o Modo 401 irá reconhecer e dificilmente haverão problemas de memória.

Ele trabalha com arquivos PSD linkados mas pode danificar este arquivos, o ideal é ter uma versão do PSD original e gravar uma cópia em PNG ou JPG. Enfim o Modo tem uma série de bugs que num primeiro momento parecem desmerecê-lo, mas seu potencial de modelagem, texturas, render e leveza superam estes obstáculos. Com certeza em versões futuras estes bugs serão revistos.

O sistema destrutivo de modelagem incomoda a maioria dos usuários de outras plataformas ao ponto de fazê-los até desistirem de usar o Modo.
Por que devo me atualizar?
A importância de buscar cursos, estudar
e tentar evoluir tecnicamente e culturalmente.


Casos como o da Disney provam que mesmo grandes profissionais não estão salvos das intempéries que o mercado pode provocar. A eterna busca por conhecimento e técnicas se faz necessária.
Eterna porque não podemos parar nunca, não é preciso também se torturar para aprender, mas todo bom designer sabe que não se preocupar com seus conhecimentos técnicos e culturais estará fatalmente fadado ao ostracismo.
O mercado é muito dinâmico, a área de design passa por diversas tendências, conceitos são transformados diariamente. Um designer com boa bagagem cultural e técnica também terá maior facilidade no dia-a-dia, tanto para criar quanto para transpor obstáculos e dificuldades variadas que certamente surgirão à sua frente.
Ter domínio técnico para criar uma ilustração, um layout, saber argumentar sobre uma criação e defender sua lógica e objetivo são qualidades de um designer preparado.
Uma faculdade com certeza trará a bagagem cultural e filosófica para isso, cursos extra-curriculares em diversas áreas como fotografia, desenho ou cursos avançados de design 3D e animação devem ser com certeza procurados.

As escolas que ensinam CG em São Paulo são:

R3F - Curso de Modo. A escola oferece diversos módulos para iniciantes e usuários avançados.

Melies - Oferece diversos cursos de modelagem, animação, direção de arte, roteiro etc. Hoje oferecem curso superior em artes visuais.

DRC - Centro de treinamento com inúmeros cursos de video, animação, editoração, 3D etc.

Cadritech - Tem vários cursos o principal é de 3DS MAX. É uma escola muito conhecida.

Escolas fora do Brasil:

Dave School - Oferece um curso de 1 ano de duração o objetivo é criar um filme animado.

VFS - Vancouver Film School, a escola no Canadá oferece diversos cursos, aqui também há a filosofia de criar um curta de animação em 1 ano. Com turmas integrais e meio período.

GNOMON - Uma das mais conceituadas escolas de CG que oferece cursos Online.

Gobelins - Esta escola dispensa comentários, fica na França e em geral forma excelentes profissionais. Busque no Youtube pela palavra Gobelins e vocês verão os vídeos produzidos por seus alunos, muitos premiados em festivais de vídeo e cinema mundo afora.
Curva de aprendizado
Definição e compreensão da curva de aprendizado.
Como exercitar o conhecimento
para aprimorar a curva de aprendizado.

Curva de aprendizado é a capacidade que cada pessoa tem de aprimorar seu conhecimento ou o tempo que uma pessoa leva para agregar novas informações (em qualquer área).
No nosso caso, universo da computação gráfica, há pessoas que aprendem e assimilam rapidamente novos softwares enquanto outras demoram mais tempo. É de extrema importância para qualquer designer exercitar e treinar diariamente suas habilidades para elevar sua curva de aprendizado.
Qualquer designer com maior bagagem técnica tem mais facilidade em assimilar novos programas, técnicas, conhecimentos e cultura.

Para ampliar esta capacidade não existe mágica, assim como é preciso exercitar o corpo para manter uma boa forma e também uma boa alimentação, no caso da computação gráfica é necessário treinar todos os dias, muitos profissionais treinam em seus próprios trabalhos criando peças, layouts, ilustrações e animações mas há aqueles que ainda não se colocaram no mercado ou que estão desempregados; para estes aconselho a definir metas e objetivos, criem um roteiro qualquer, uma história, um desafio, uma ilustração, um projeto. Em alguns casos a pessoa ainda é estudante e fica somente à margem dos estudos, não se preocupa em aprender novas técnicas porque ou não tem dinheiro ou não tem incentivo para iniciar os estudos.
Definir metas e objetivos portanto incentiva a pessoa a executar um trabalho, mesmo que este trabalho seja apenas para treino. Pode ter certeza que lá na frente os frutos deste treino serão colhidos. Uma boa dica são os chamados trabalhos autorais, prepare um projeto pessoal e se dedique a ele como se fosse um trabalho profissional.

Na seção FERRAMENTAS explicarei uma sequência básica de estudos e softs que pode ser seguida. Digo isso porque outro grande problema em melhorar curva de aprendizado é não saber o caminho das pedras, as pessoas nem sabem por onde começar e quando começam não sabem por onde continuar.
 
Curva da CG
Estamos em um século revolucionário, em breve será tão revolucionário quanto foi o séc. XX.
Computadores quânticos, nanotecnologia a favor da medicina, serão realidades que em breve
veremos e neste momento vemos uma revolução no mercado de CG e dos videogames.
Em 1977 o videogame Atari foi lançado, nesta época o 1º filme da série Star Wars também é lançado. Notem que o filme já apresenta uma boa qualidade visual e o videogame tem gráficos iconográficos e pixelizados, o Atari virou um clássico. 

Em 89 é lançado o blockbuster Batman, com visual e efeitos especiais rebuscados, propaganda massiva em torno do título e no mercado de videogame os consoles de 3ª geração Mega Drive, SuperNintendo surgem para revolucionar com seus jogos de plataforma. O grafismo dos jogos já dá um salto evolutivo, mais cores e audio com melhor qualidade.

 
O lançamento de Matrix 10 anos após Batman redefine a forma como o cinema é feito, Matrix é um divisor de águas, há quem diga que o cinema se apresenta AM e DM (Antes de Matrix e Depois de Matrix), inúmeros filmes copiaram seus efeitos, principalmente o efeito bullet time que apresenta, além das cenas com perfeitos slow motions, cenas complexas geradas com várias câmeras que captam quadro-a-quadro imagens numa área em 360º. Nesta época o mercado de videogame e jogos de computador dá um salto e surgem jogos ambientados em 3D como o violento Unreal Tournament e na onda do Matrix e seus efeitos o joguinho Max Payne que incorporou o efeito bullet timecomo recurso de luta. Notem que a qualidade dos jogos melhorou muito e a integração e jogabilidade também tiveram melhorias, máquinas mais poderosas e melhores processadores começam a dar asas à imaginação de programadores e designers.

Ainda não estamos no auge da curva da CG mas ela está muito próxima, este ano o filme Sin City revolucionou, com seu estilo, com sua arte, com a visão de Frank Miller perfeitamente representada na película, o roteiro a ação os efeitos, tudo em Sin City mostra o melhor que o cinema moderno pode oferecer em termos de tecnologia. Em contrapartida temos o jogo KillZone que impressiona pela qualidade gráfica e interação, é tão impressionante que este caso merece um vídeo demonstrativo, não é possível abstrair nestas pequenas fotos o que a indústria de videogame prepara para nós.
Vejam um trecho do trailer de Sin City e o game Kill Zone do PlayStation 3 (previsto para 2007):
O mercado de games é tão gigantesco quanto é o de cinema, ávido por designers de todos os lugares do mundo, fiquem atentos, dominar softs 3D pode ser um excelente negócio dentro e fora do Brasil.
 
Outro bom exemplo desta evolução constante é o filme Beowulf, totalmente em 3D com captura de movimentos humanos. E cada vez mais a evolução nos fascina, vejam este vídeo com uma garota totalmente computadorizada, falta muito pouco para não mais distinguirmos a diferença entre real e virtual:
Quando devemos parar?
Como saber o momento de parar um trabalho,
os fatores que implicam nessa decisão, prazos, stress, satisfação.


A maioria dos designers trabalham nesta área porque gostam de criar, projetar, desenhar. Um ponto em comum nestas pessoas é o perfeccionismo, é incrível a quantidade de pessoas que "viram" noites, passam fome, frio e diversos outros malefícios que a profissão nos força ou por imposição de chefes ou empresas que "forçam a barra", responsabilidade ou por nossa vontade.

Parece brincadeira dizer que se passa fome e frio não é? Mas, diga-me uma coisa, quantas vezes você se viu às 3 da manhã trabalhando e neste momento percebe que além de tarde da noite está com muita fome e a camiseta que estava usando as 19 horas já não lhe protegia mais do sereno e frio da madrugada.
Você não percebe isso porque está tão concentrado no trabalho que não se dá conta da passagem do tempo.

Tudo isso em troca do bom design, da ilustração perfeita e por aí vai. Claro que ninguém deseja fazer nenhuma porcaria, mas não é preciso este enorme martírio diário tanto no trabalho quanto em casa fazendo seus freelas que engordam o orçamento.
Planeje bem seus projetos.
Defina o nível de qualidade que quer atingir antes mesmo de começar, sabemos que isso é difícil, normalmente só designers (ou qualquer outro profissional) experientes conseguem planejar este tipo de coisa. Os iniciantes irão sofrer muito ainda, mas, fica aqui esta dica. Os iniciantes sofrerão porque ainda não desenvolveram a famosa curva de aprendizado, eles ainda criam muitas coisas na tentativa e erro (na verdade mesmo designers experientes também criam na tentativa e erro porém, em menor grau).

Criação.
Outro fator que atrapalha muito na criação e finalização de trabalhos é quando o autor está insatisfeito com sua obra, seja porque ele não consegue em nenhum momento se sentir bem com ela (aí a coisa fica feia) ou porque ele tenta buscar a perfeição máxima, acrescendo detalhes e mais detalhes ao trabalho.
No primeiro caso é grave porque é quando o designer se perdeu na parte criativa ou seu insight ficou vago, isso é péssimo pois nos deixa num buraco sem corda, muitas vezes recomeçar do zero resolve. Dica, neste momento seja profissional e isso quer dizer: use técnicas de design, ergonomia, projeto, usabilidade, conhecimento visual/cultural etc para atingir seu objetivo mesmo que seja em uma ilustração. Muitos afirmam que ilustrar é para quem tem talento, sim claro, ter talento ajuda muito de fato. Mesmo assim é possível ilustrar usando os conceitos de design, pensando em projeto e com conhecimento e cultura conseguir criar imagens maravilhosas. 

Lembro que demorei em torno de três anos tentando criar um site para meu estúdio, foram diversos layouts todos publicados porém nenhum me agradava, quando finalmente tive um grande insight e criei o site que esteve no ar até 2007, percebi que meu estilo é mais lúdico e antes estava criando sites "modernosos".
Eu curtia o estilo "modernoso" mas ele não representava meu jeito de ser. Quando o trabalho é pessoal fica ainda mais complicado de definir metas e finalizar. Ao terminar o site senti na hora que ele estava perfeito e não havia mais necessidade de mudar, foi o momento de parar. Me senti tão bem com o site e tão feliz que os resultados logo surgiram, ganhei diversos prêmios de design com ele e foi a prova de que o projeto foi enfim bem feito.
Recentemente eu mudei a linguagem e o visual de meu site porém, sem perder o conceito, a essência. Mantive a temática lúdica agregando modernidade e facilitando a navegação para os visitantes. Isso também é muito importante, perceber o momento, o que está em alta, até brinco dizendo que design é como moda, precisa estar ligado às tendências. Hoje pode ser bonito um site cheio de recursos e firulas, som, "musiquinha", amanhã pode ser pavoroso. Fiquem atentos a isso, sintam o mercado, coletem opiniões e críticas.

Mas e no dia-a-dia como resolver estes impasses?
Normalmente no dia-a-dia passamos por enorme carga de stress, tudo porque temos de resolver problemas diversos em pouco tempo e com boa qualidade no mínimo.
Os prazos estão cada vez mais curtos resultantes de setores com péssima organização que não tem noção de prazos e da dificuldade que é criar e além de criar, também finalizar o projeto, fazer uma arte final de qualidade.
A saída em muitos casos é argumentar por melhores prazos, isso permitirá um melhor design com mais qualidade e menos stress.
Se isso for impossível, é importante deixar claro as conseqüências que irão refletir diretamente na qualidade do trabalho. Seja presente, se for um funcionário, participe de reuniões, seja pró-ativo opine, faça parte da empresa. Argumente sempre, seja transparente, ético e, acima de tudo muito profissional. Se for um empresário, as dicas são as mesmas, seja o exemplo, não prometa prazos que não faz ideia se sua equipe pode cumprir. Se tiver noção de produção e conhecer bem a equipe pode assumir os riscos mas, se não souber estas coisas, tenha um bom gerente e confie nele. Dicas simples que tornam qualquer ambiente de trabalho muito melhor e divertido!

QUALIDADE = PRAZO x GRANA

GRANA = PRAZO x QUALIDADE

PRAZO = QUALIDADE x GRANA

É uma equação simples, está tudo relacionado, a falta de um implicará em detrimento do outro. Nem é necessário comentar sobre a questão da organização.

Quantas vezes já me pediram para entregar um job no dia seguinte!!!

"Ah sim aceito, consigo fazer sim, porque não!?

Neste caso lembro que fiz um orçamento muito elevado, prevendo taxa de urgência, feito com cuidado de maneira a justificar o esforço e ao mesmo tempo educar este cliente. Se você aceitar um prazo absurdo por um valor irrisório estará cometendo dois erros muito graves, o 1o é destruir seu tempo, e tempo é dinheiro e tempo não volta. O 2o é sucatear o mercado, porque quando quiser cobrar mais caro por algo justificável, seu cliente não aceitará, agora imagine isso multiplicado por inúmeros iniciantes despreparados?"Ahh mas eu sou um funcionário na empresa tal e meu chefe sempre pressiona para terminar e fazer logo e já vem outro na sequência..."

Tudo bem, seu chefe pressiona, então pressione ele também, argumente, aprenda a dizer "NÃO" porque lá na frente aceitando tudo você se tornará um escravo, seus trabalhos serão provavelmente medíocres e seu chefe terá pouco respeito por você.
Não tenha medo de perder o emprego, o mercado não está ruim não, muito pelo contrário o que tem de setor de marketing (por exemplo) desesperado atrás de terceiros para suprir a demanda de criação é absurdo.
E, tem mais, se você percebe que sua empresa não se preocupa com qualidade, tem um sistema de trabalho insalubre, não perca tempo, sua vida vale mais que qualquer salário. Gaste seu dinheiro com cursos, experimente o mercado autonômo um tempinho, estude em casa. Mas não vire jamais escravo dos outros ou de si.

Seja sensato, saber dizer "NÃO" é um exercício que deve ser acompanhado de muito bom senso, estar pautado em bons argumentos e você deve saber o momento correto de aplicar tais argumentos e também saber ceder quando este for o caso. Seja ético e, também se coloque no lugar do empresário, do patrão. Muita gente acha que ser patrão, dono, chefe é fácil, não, não é; é penoso, árduo e muito mais estressante do que estar na ponta da produção. Equilíbrio e bom senso sempre! Seja profissional, não seja abusado porque o abusado não cresce, se queima no mercado e fica medíocre.
Como podem ver não é nada fácil. Esta experiência vem com o tempo.

Espero que estas dicas ajudem a entender melhor e se comportar melhor no mercado e atingir bons resultados. Não confundam ter atitude com ser arrogante. Bom senso acima de tudo.
Internet
Onde aplicar recursos de 3D na internet?
O que é Swift 3D?


O mercado em que uma aplicação 3D pode ser utilizado é vasto, desde mídia impressa a cinema e multi-mídia. A internet é um local em que 3D é muito aplicado também de diversas maneiras. Ilustrações, vetores, animações etc.

Você pode com seu soft 3D criar um cenário completo
exportar ele em vetores e ainda programar interações com este cenário usando o Swift, o QuickTime VR que pode ser programado posteriormente no Director dentre inúmeras soluções que existem atualmente para os mais diversos tipos de interações offline e online.

 Cenário totalmente em 3D, ilustração criada para compor a home de meu site (JFerraz).

Swift 3D - é um soft que permite criar objetos simples em 3D e exportar o resultado no formato Flash (.swf), você pode também exportar em outros formatos como o EPS por exemplo. O Swift pode ser adquirido em sua versão stand alone ou em versão plugin para softs como LightWave, XSI etc.
No caso do plugin do Swift, você pode criar suas cenas, ilustrações em seu soft 3D preferido e exportar a partir deles o resultado, inclusive exportar seqüências animadas.
Alguns trabalhos em que foi utilizado recursos 3D.
As ferramentas!
Vamos aprensentar uma rápida coletânea dos principais softs utilizados em produções.

2D - Photoshop, Illustrator, InDesign etc.  Estes softs são muito utilizados no segmento de mídia impressa, para uma boa integração no mundo 3D é preciso o domínio, no mínimo, do Photoshop e de um soft vetorial, pode ser o Illustrator ou CorelDraw.

Efeitos 2D - After Effects, Digital Fusion, Combustion, Nuke, Mari etc;
Estes programas são os mais utilizados no universo dos efeitos e animação 2D. O After é sem dúvidas o mais popular e é muito versátil, tem enorme suporte, com muitos plugins além de ser um soft muito rápido. O Digital Fusion é excelente, muito avançado e moderno possui uma gama de plugins para efeitos semelhantes aos do After, foi utilizado nas produções de Matrix. O Combustion é também muito conhecido e poderoso, suas ferramentas de recorte (chroma) são consideradas as melhores, tem interface limpa e organizada seus plugins são de excelente qualidade.
Fica a critério do designer o pacote que prefere utilizar.

3D - XSI|SoftImage, LightWave 3D, Maya, 3DS MAX,
Cinema 4D, Modo, Rhino, Silo, Caligari, Blender, Poser, Bryce, Vue, ZBrush; No universo 3D não temos um soft que reine absoluto como o Photoshop por exemplo mas existem diversos programas que sozinhos ou usados em conjunto com outros se tornam ferramentas poderosíssimas. Os 4 primeiros já comentei acima, o CInema 4D vem evoluindo muito de dois anos para cá e em breve poderá se tornar um soft de peso em super produções e já esboça tímidas participações em Holywood. O Modo sem dúvidas é o soft mais poderoso que existe para modelagem, criado pelos antigos programadores do LightWave que agora fundaram a Luxology. O Rhino é também um soft de modelagem, mais útil em criações orgânicas ou para modelagem automotiva por meio de nurbs. Silo também é outro modelador com uma interface ultra limpa. Caligari esboçou uma virada no mercado mas tem decaído perante seus concorrentes, nasceu no saudoso Amiga e migrou para o PC assim como o LightWave e Cinema 4D. Blender é uma opção gratuíta com interface semelhante a do LW. O Poser é um soft muito bacana, muitos profissionais desmerecem seu potencial, aprender a utilizar o Poser é sem dúvidas ter em mãos uma ótima ferramenta para criar personagens complexos. O Bryce e Vue são excelentes softs para criar paisagens, cenários, montanhas etc. O Vue é extremamente poderoso e oferece uma interface completa que permite ao artista criar cenários impressionantes.

Edição - Vegas, AVID, Final Cut, Premiere;
Dentre os softs de edição de vídeo os mais populares e considerados pelo mercado como mais profissionais são o AVID e Final Cut. O Premiere tem melhorado em suas últimas versões mesmo assim é pesado, trava e não permite preview em tempo real. Em minha humilde opinião acredito que o melhor custo benefício é o Vegas da Sony, um soft leve, limpo e muito poderoso, você consegue editar vídeos e gerar efeitos impressionantes no Vegas com a mesma facilidade de enviar um email!!!! Basta poucos minutos no Vegas para se apaixonar pelo soft. Qualquer pessoa que já operou os outros 3 e operou o Vegas sabe a diferença abissal entre eles. Infelizmente o Vegas é marginalizado e considerado o "CorelDraw" dos softs de edição. Outro problema do Vegas é não haver uma versão para a plataforma Apple que tem um mercado muito forte na edição de videos.

Outros - Houdini, Boujou, Deep Explorer;
O Houdini é um soft híbrido, ele possui ferramentas de 3D e 2D além de permitir criar efeitos especiais também. Ele se enquadra mais na categoria do After Effects.

Boujou é um soft de estabiização e camera tracking, você já precisou alguma vez inserir um cenário 3D ou objetos 3D em uma cena real!? O Boujou é a ferramenta ideal.
O Deep Explorer é um utilitário muito bom, com ele você pode visualizar de maneira fácil e rápida a maioria dos objetos 3D dos softs que existem no mercado, pode ainda abrir um objeto de determinado soft 3D e exportar para outro soft 3D.

Áudio - Reason, Ableton, CuBase, Nuendo, FL Studio, Vegas. Este é um universo vasto e merecia uma palestra só sobre ele, mas tentarei resumir aqui o que há de mais forte neste segmento.

Reason, para quem já viu este soft funcionando a primeira impressão é ficar de queixo caído, com uma interface inovadora que emula aparelhos de verdade e permite uma interação totalmente diferenciada. Extremamente poderoso e complexo.

CuBase, este soft é muito parecido com o Nuendo, muito utilizado por DJs da cena Techno. Possui recursos excelentes de criação e edição de músicas, vocoders, resamples, track editor etc.

Nuendo, como dito acima, muito parecido com o CuBase, praticamente faz as mesmas coisas, apenas muda um pouco a interface.

FL Studio (Fruity Loops), é um tracker muito bacana e profissional com muitos recursos para se criar músicas a partir de samplers. O plugin Sytrus é um dos mais poderosos desse pacote.

Vegas, mais uma vez vemos o Vegas, poucos sabem que ele pode ser utilizado como Tracker e cumpre muito bem sua função. Quem conhece Sound Forge pode usar o Vegas ele não é só a evolução do Forge como tem mais recursos.

Ableton - um tracker atual muito bom, poderoso e com interface simples e bem desenhada.
Como fazer para estudar softs tão caros?
Dicas e macetes para estudar programas poderosos sem apelar para a pirataria.

(Escrito em 2005, verifiquem os novos valores e endereços). 

Muitos me perguntam como estudar ou adquirir estes programas com preços mais em conta. O primeiro detalhe a ser percebido é que programas educacionais, por exemplo, não são bem divulgados como os comerciais por um simples motivo; a diferença entre um programa educacional e um comercial muitas vezes é nenhuma! É muito comum ver empresas comprando softs educacionais e usá-los para fins comerciais.

Para encontrar as versões educacionais dos softs é preciso garimpar um pouco pelos sites das empresas que fabricam esse programas. Muitas vezes você só vai encontrar os programas educacionais com os fornecedores destas empresas.• O Photoshop está em torno de U$ 485,00 (educacional), mas se você tiver um cartão de crédito internacional pode conseguir o mesmo programa lá fora por volta de U$ 80,00.
Apesar de não constar no site da Brasoftware, eles comercializam a suite da Adobe Educacional. BRASOFT.• O LightWave educacional pode ser comprado por U$ 250,00 na R3F.• O 3DSMAX também tem versão educacional, custa U$ 1.990,00 (My First), a licença anual educativa sai por U$ 170,00. Maiores informações no site daCadritech.

• O XSI|SoftImage pode ser comprado neste contato:
flavio_longoni@avoption.com
O preço é em torno de U$ 300,00.
O XSI Full está em torno de U$ 6.990,00.

• O Maya também tem versão educacional, é gratuito para fins não comerciais. Pode ser encontrado aqui: Maya PLE. As versões comerciais do Maya são a Complete custa cerca de U$ 2.300,00 e a Unlimmited que custa por volta de U$ 10.000,00

Outra maneira de estudar estes softs é baixar as versões de tryout, são versões que expiram depois de certo tempo ou que não expiram mas tem limitações. Todas as principais produtoras tem links para baixar as versões tryouts.

Obs.: Estes valores e contatos podem mudar, o ideal é contatar essas empresas e perguntar o atual valor dos softs.
Back to Top